domingo, 14 de agosto de 2016

DECEPÇÃO - COM MAIS DE 122 MILHÕES DE INVESTIMENTO, BRASIL DEIXA A RIO 2016 SEM MEDALHAS NA NATAÇÃO


Decepção. Essa é o sentimento da natação brasileira ao final das competições no Jogos do Rio de Janeiro. O Brasil deixa a competição sem nenhuma medalha conquistada, algo que não acontecia desde Sydney, em 2004. E, pior, isso acontece depois de um investimento histórico no esporte. Um investimento de mais de R$ 122 milhões, para ser mais preciso.
O valor, na verdade, é ainda maior que isso. Isso porque a conta leva em consideração os balanços fiscais de 2013 a 2015, dois dos três anos do período olímpico.
Neste período, a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) teve receitas superiores a 122 milhões.
Mais de 10% deste valor veio atrás da Lei Piva, com repasses do governo diretamente ao esporte. O restante é de patrocinadores. Mas mesmo esse patrocínio é, quase que em sua totalidade, de uma empresa pública: o Correios é responsável por praticamente 90% do montante.
Vale ressaltar que a CBDA também cuida de outras modalidades, como o polo aquático, os saltos ornamentais, nado sincronizado e a maratona aquática. Mas não há muitas dúvidas de que a natação seja o mais importante entre eles - até pelo número de medalhas em disputa.
Com tamanho investimento, a expectativa era de pelo menos repetir o desempenho de Pequim ou Londres, quando o país acabou cada um dos Jogos com duas medalhas.
Para isso, havia pelo menos cinco bons candidatos: Thiago Pereira (sétimo nos 200m medley), Bruno Fratus (6º nos 50m livre), João Gomes (5º nos 100m peito), Felipe França (8º no 100m peito) e o revezamento 4x100m livre (5º).
O Brasil ainda surpreendeu com mais três finais. Marcelo Chiereghini foi 8º nos 100m livre, Etiene Medeiros foi 8º nos 50m livre, e o time masculino acabou em Xº no revezamento 4x100m medley.
Assim, o número de finais até que foi acima do esperado, mas a falta de uma medalha acabou frustrando - e muito - a participação da natação brasileira no Rio 2016.
O curioso é que o momento acaba sendo muito parecido com o de 2004, a última vez que o país ficou sem medalhas em uma Olimpíada. Naquela época, o Brasil vivia a transição entre Gustavo Borges e Fernando Scherer, o Xuxa, para a nova geração. Agora, o país acaba de sair do momento histórico de Cesar Cielo.
Publicado Strini e Igor Resende, do Rio de Janeiro (RJ), para o ESPN.com.br

Foto Bruno Fratus não levou medalha, e o Brasil ficou sem pódio no Rio 2016 na natação GETTY








O QUE ACONTECE DE NOTÍCIA NO MUNDO DOS ESPORTES AQUÁTICOS VOCÊ LÊ PRIMEIRO AQUI - BLOG FRANCISSWIM Foram mais de 7.000.000 de VISUALIZAÇÕES no último ano


Francisswim Esportes Aquáticos é uma ferramenta única,   abrangente, multi-linguas, uma referência on-line para a comunidade aquática. Informação vistas nos últimos 12 meses no facebook (4.397.084), Google+ (4.144.802), blog (397.672). Clique no link e visite 




http://www.kickante.com.br/campanhas/blog-francisswim-esportes-aquaticos








































Nenhum comentário: