quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

O QUE ESPERAR DA NATAÇÃO BRASILEIRA


O Brasil encerrou sua participação no Mundial em piscina curta do Canadá com três medalhas, uma de cada cor, mas nenhuma delas conquistada em uma "prova olímpica". Sempre bom lembrar que a piscina curta, por si só, já não é olímpica.

O ano foi longo, os resultados aquém do esperado, mas fica a dúvida: o que esperar da natação brasileira neste ciclo?

A resposta passa pelo investimento que será feito, claro. Ninguém sabe qual será o orçamento da modalidade para os próximos anos. Tanto que, a princípio, vão apenas oito nadadores para o Mundial em piscina longa do ano que vem. OITO. Apenas oito.

Mas vamos tentar, ao menos, minimizar isso (o que é quase impossível). Pensar nos principais atletas. É possível pensarmos em medalhas olímpicas em 2020?

A tendência é que o país chegue em Tóquio mais velho (ou experiente), mas em menos finais (foram oito no Rio). Infelizmente, a tendência é que o país brigue por menos medalhas. Mas, ao mesmo tempo, não há como piorar em número de pódios. Afinal, ficou sem pódio nos Jogos do Rio.

Há chances. Claro. A tendência é que, se não aparecer nenhum fenômeno nos próximos anos, as chances sejam com os mesmos de sempre, mas com a inclusão de Brandonn Almeida, que é muito bom.

Vamos começar por Thiago Pereira, Bruno Fratus e Cesar Cielo, trio que mais se destacou no último ciclo e, por diversos motivos, não foi ao pódio nos Jogos do Rio:

Thiago Pereira disse que segue até 2020, será seu quinto ciclo olímpico. Sem Phelps e Lochte, que não devem estar em Tóquio, a prova dos 200m medley "abre" um pouco. Claro que com certeza virão dois americanos fortes, para nadar na casa de 1min57s, mas Thiago pode nadar constantemente em 1m56s. Aparentemente, vai chegar aos Jogos de Tóquio com chance de pódio (se vai conquistar ou não, é outra história).


Bruno Fratus ficou em sexto na Olimpíada do Rio. Tenho certeza que, se não tivesse o problema nas costas, iria ao pódio. Em nenhum momento ele colocou a "culpa" da perda da medalha na contusão nas costas, mas está claro que em 2016 ele não foi o mesmo de 2015 por conta disso. Se conseguir superar de uma vez por todas esse problema, segue mais um ciclo olímpico entre os melhores dos 50m livre sem dúvidas.

Cesar Cielo não sabe se vai se aposentar. Pela entrevista que deu em outubro, não deve nadar em 2017. Se voltar em 2018 (muitos outros nadadores já fizeram isso), pode ser que volte a ficar entre os melhores. Conhecendo ele, só volta às piscinas se for para ganhar medalhas.

Aí, vem a turma dos finalistas nos Jogos do Rio. Felipe França, João Gomes, Marcelo Chierighini e Etiene Medeiros.
Os quatro têm fôlego para mais um ciclo olímpico. Destes, Etiene é a que mais vem evoluindo. Se melhorar de três a quatro décimos nos 50m livre até 2020 (é difícil, mas não impossível), pode brigar.

Felipe e João estão entre os melhores no nado peito, fizeram uma Olimpíada boa, mas ficaram no quase. Estão há uma década na seleção e estão "neste quase" há tempos. Precisam dar "esse salto" neste ciclo, provavlemente o último de suas carreiras. (Incluo Felipe Lima nesta, ele que não esteve no Rio 2016, mas foi bronze no Mundial de longa em 2013).

Marcelo Chierighini não melhora sua marca nos 100m livre desde 2013, mas é muito regular. Foi finalista nos Mundiais de 2013 e 2015, e na Olimpíada de 2016. Sempre ali, entre 48s10 e 48s30. Ainda é jovem, mas já tem duas Olimpíadas nas costas. Mas precisa entrar na casa dos 47s para brigar por medalhas.


Aí tem a turma dos que estão na seleção há anos, mas não fizeram uma boa Olimpíada, como Henrique Rodrigues, Leo de Deus e Guilherme Guido
Os três precisam dar um passo gigantesco nos próximos anos para brigar por um pódio em Tóquio 2020. São nadadores essenciais para o Brasil, são todos campeões Pan-Americanos e têm marcas de finalistas olímpicos. Mas não fizeram nem perto de suas melhores marcas nos Jogos do Rio.

Difícil ver a seleção sem eles em 2020. Mas difícil vê-los brigando por uma medalha. Espero estar errado, torço muito para eles. Mas precisam dar um passo gigantesco para alcançar um pódio. É improvável, mas não impossível.

Tem alguém chegando?

É difícil projetar, mas são poucos nadadores jovens que devem estourar até 2020.

Um já estourou, que é Brandonn Almeida. Para mim, tem tudo para entrar na lista dos "que vão brigar pelo pódio em 2020". A prova dos 400m medley "não tem dono" atualmente. Fez uma marca muito boa no Open. Melhorando dois ou três segundos, já briga pelo pódio no Mundial do ano que vem.

Tem nomes bons, mas provavelmente não para medalha neste ciclo. Casos de Pedro Cardona (100m peito), Vinicius Lanza (100m e 200m borboleta), Guilherme Costa (meu xará dos 1500m) entre outros.

E os de sempre?
A natação brasileira tem uma série de nadadores que estão na seleção há anos, com resultados bons, mas ainda distantes de uma medalha olímpica. Casos de Thiago Simon, Tales Cerdeira, Daynara de Paula, Daiene Dias, Joanna Maranhão (nadadora mais completa da história do país), Nicolas Oliveira, João de Lucca, Marcos Macedo, Manuella Lyrio, Larissa Oliveira...Entre outros.


São ótimos nadadores, claro. A maioria medalhistas pan-americanos, muitos semifinalistas de Mundiais e Olimpíadas.

Mas que precisariam ter uma melhora enorme para brigarem por uma medalha olímpica. Não é nenhum demérito isso. São essenciais para a natação brasileira. Mas pensar em uma medalha talvez seja um pouco utópico

E os revezamentos?

O único que parece que pode brigar por alguma coisa neste ciclo é o 4x100m livre. Mas precisa que apareça algum nome nos próximos anos. Gabriel, que esteve na Olimpíada, conseguiu um bom 48s60 no Open. Pode pintar um 47s em breve. Marcelo Chierighini está batendo na trave neste 47s há anos. Matheus Santana parou de evoluir, infelizmente, há duas temporadas. Nicolas Oliveira é constante na casa dos 48s. Mas precisa que um Felipe Ribeiro ou Pedro Spajari apareçam "para valer" com 48s baixo.

Os demais, podem brigar por finais, o que seria um ótimo resultado. O 4x200m feminino pode ter as quatro nadadoras, em breve, na casa de 1m47s, o que faria com que o time fosse quinto ou sexto. O 4x100m medley masculino precisa de uma prova perfeita para entrar no bolo.

O que precisa para melhorar?
Não sou treinador, não sei o que falta na técnica dos atletas. Mas o que deu para perceber claramente é que os brasileiros competem pouco. São dois ou três eventos apenas para cada nadador na preparação para grandes competições como Mundial e Olimpíada. Poderiam participar de mais GP nos EUA ou torneios na Europa. Se não der por conta da crise, que nadem mais competições aqui no Brasil. Acho que os brasileiros competem pouco, menos do que os rivais. E a diferença se vê no índice de melhora da seleção na competição.

Fonte Blog Brasil em Tóquio por Guilherme Costa



Publicado por Francismar Siviero



O QUE ACONTECE DE NOTÍCIA NO MUNDO DOS ESPORTES AQUÁTICOS VOCÊ LÊ PRIMEIRO AQUI - BLOG FRANCISSWIM Foram mais de 35.000.000 de VISUALIZAÇÕES no último ano


Francisswim Esportes Aquáticos é uma ferramenta única,   abrangente, multi-linguas, uma referência on-line para a comunidade aquática. Informação vistas nos últimos 12 meses no facebook (24.397.084), Google+ (5.144.802), blog (401.672). Clique no link e visite 





http://www.kickante.com.br/campanhas/blog-francisswim-esportes-aquaticos








































Nenhum comentário: